Como fica o CGNAT com o fim do IPv4?

Descrição curta IPv4


Mas isso não é motivo para pânico. O IPv6 está sendo implementado para suprir essa demanda. Mas enquanto a transição não é completa os provedores podem pensar em outra solução temporária.

Os índices de endereços de IPv4 estão acabando. Ou seja, esse número está quase no fim nas regiões da América Latina e no Caribe. Seguindo o que aconteceu na Europa e na América do Norte.

É oficial: concretizando as previsões que já se anunciavam há alguns anos, os 4,3 bilhões de endereços de IPs disponíveis no modelo IPv4 decerto se esgotaram. E isso inclui a América Latina e, é claro, o Brasil. Atualmente, estima-se que o número de dispositivos conectados à internet no mundo já tenha batido a casa dos 5,5 bilhões.

Diante disso, a transição para um novo sistema tem sido uma operação global. Ou seja, que todos os servidores do mundo precisam enfrentar, o mais rápido possível, para continuarem suas operações da melhor forma possível.

Desde a criação do IPv6, o substituto do IPv4, o CGNAT foi escolhido como a técnica de transição que possibilitaria a manutenção das conexões. Isto é, sem afetar o serviço oferecido aos clientes.

O problema? Hoje, muitos provedores se tornaram dependentes do CGNAT, e prolongam seu uso excessivamente. E portanto, ignorando algumas problemáticas referentes ao sistema em longo prazo, como a lentidão no processamento de ações como a Voz sobre IP (o famoso VoIP). Como também o carregamento de vídeos, e outras atividades ligadas à cadeia end-to-end das redes.

Hoje, qual é a solução mais adequada?

Atualmente, um caminho muito utilizado para realizar a transição é o modelo Dual Stack Cisco – ou “duas pilhas”, em tradução livre.

Esse método portanto turbina os roteadores com pilhas que funcionam tanto para IPv4 quanto para IPv6, possibilitando uma transição gradual entre sistemas, sem nenhuma perda de capacidade para o pacote de dados.

Quando a transição for concluída, basta desligar as pilhas referentes ao envio e recebimento de dados no obsoleto IPv4.

post-cgnat